REPRESENTANTE DO FBI NO BRASIL MOSTRA A ATUAÇÃO NA DEFESA E PROTEÇÃO DE AUTORIDADES FEDERAIS

Sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

O Adido do FBI no Brasil Patrick Kramer participou do XII Seminário Nacional dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário Federal, nesta sexta-feira (19), em Maceió/AL.

O foco da palestra foi a visão de como o FBI atua na defesa e proteção de autoridades federais. Durante a explanação, Kramer explicou que o foco do trabalho do FBI é a proteção do diretor e do procurador geral, com a utilização de estratégias de segurança para impedir qualquer tipo de ameaça contra eles. Esse método é feito através da detecção de uma vigilância defensiva, com a utilização de equipamentos tecnológicos como detector de metais.

Sobre a segurança física dos protegidos, o adido do FBI disse que qualquer viagem promovida pelo diretor ou o procurador é acompanhada por integrantes do Centro de Operações de Inteligência Estratégica mediante o monitoramento por câmeras e alarmes em residências e comunicações via rádio satélite.

“A inteligência protetora é mais utilizada com programas e sistemas destinados a pesquisar e analisar informações sobre as ameaças, a fim de identificar e, quando possível, impedir os ataques”.

Patrick afirmou que a finalidade é identificar grupos ou pessoas que representem um possível risco para gerenciar e responder as ameaças de maneira a garantir a segurança. “Assim, promovemos a partilha da infomação e apoio mútuo, evitando qualquer tipo de atentado”.

O palestrante chamou a atenção para a necessidade de se conhecer as possíveis ameaças que envolvem a rotina dos protegidos, como riscos regionais, locais, de grupos organizados, criminosos conhecidos ou pessoas emocionalmente perturbadas.

Ainda com relação à inteligência protetora, o Adido enfatizou que a utilização da inteligência é essencial para o levantamento de informações sobre as ameaças e comunicações inadequadas, além de contatos não solicitados com monitoramento de redes sociais, integrando a inteligência com operações de proteção e avaliações de ameaças de inteligência protetora e de ameaças de destino.

Entender o motivo da violência e os fatores comportamentais – intenção/motivação, ameaças comunicadas, metodologia do ataque, acesso a armas, habilidades e treinamentos, oportunidades, registro criminal, registro de saúde mental, entre outros, também é parte do trabalho desenvolvido pelo FBI na proteção das autoridades federais.

No encerramento, Patrick Kramer conclamou os Agentes de Segurança do Judiciário Federal a analisarem todo o material apresentado e adaptar as técnicas à realidade do Brasil. Ele também se colocou à disposição para ajudar nas questões envolvendo a criação da polícia institucional e reafirmou a parceria com a AGEPOLJUS.

De Maceió, Caroline P. Colombo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *