PODER JUDICIÁRIO TERÁ REDE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL

Para ampliar e aprimorar a segurança de magistradas e magistrados, o Comitê Gestor do Sistema Nacional de Segurança do Poder Judiciário vai estabelecer uma rede de comunicação que reunirá todos os coordenadores de segurança dos tribunais brasileiros. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (28), durante reunião no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Além de proporcionar maior agilidade e capilaridade, a Rede de Segurança Institucional centralizará e facilitará o acesso e compartilhamento de informações.

De acordo com o conselheiro Sidney Madruga, coordenador do Comitê de Segurança, a medida será viabilizada, inicialmente, com a criação de um grupo utilizando aplicativos de mensagens. Ele informou que, posteriormente, serão desenvolvidas ferramentas que permitam a comunicação e integração de maneira segura e ágil entre os coordenadores de segurança dos tribunais do país.

“Implementaremos essa rede de uma maneira rápida. Paralelamente, será iniciado o desenvolvimento de um sistema informatizado próprio e, para isso, criamos um grupo de estudos formados por integrantes do Comitê”. O conselheiro ressalta que o objetivo principal é o compartilhamento, em tempo real, das informações que envolvam segurança de magistradas e magistrados em todo o país, possibilitando que sejam adotadas medidas de maneira rápida e eficiente.

Integrante do Comitê, o desembargador Luiz Fernando Tomasi Keppen, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), destacou que a criação de uma rede de informações composta os coordenadores de segurança dos tribunais vai fortalecer a segurança institucional do Judiciário. Ele disse que o Comitê está promovendo reuniões regionais com os tribunais conhecer as ações implementadas nas unidades.

Como exemplo, o desembargador citou o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) e ressaltou que a corte já possui ferramentas avançadas voltadas para a segurança institucional. “Nosso objetivo é desenvolver um sistema, que pode ser construído com a contribuição dos tribunais, que ofereça gestão de segurança de forma automatizada com compilação e consolidação de dados referentes à segurança institucional do Poder Judiciário.

Fonte: CNJ
Foto Ilustrativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.